Destaques, Notícias, Novidades
10 Fevereiro 2014

Refinaria de Coruche aposta em energia fotovoltaica

refinaria

A DAI, Sociedade de Desenvolvimento Agroindustrial, inaugurou um parque fotovoltaico que terá um retorno de 420 mil euros no prazo de 15 anos. A instalação solar, em Coruche, vai produzir anualmente 170 MWh. O novo sistema da DAI evita emissões anuais de 34,3 toneladas de CO2, o equivalente à plantação de uma floresta com a dimensão aproximada de 8 estádios de futebol. Para Jorge Correia, Diretor-Geral da DAI, “a decisão de investir no parque fotovoltaico foi estratégica e surgiu com a mudança das necessidades energéticas da fábrica.” Na sequência das condições exigidas pela Organização Comum de Mercado do Açúcar, a empresa acabou por renunciar, em 2008, à quantidade residual de quota de açúcar de beterraba. O responsável da empresa portuguesa acrescenta que “a DAI tem terrenos disponíveis desde que deixou de produzir açúcar de beterraba e só temos pena que a legislação imponha limitações à produção de energia fotovoltaica. Só instalámos um décimo do que pretendíamos.”

Duarte Caro de Sousa, Diretor-Geral da Ikaros-Hemera, empresa responsável pela instalação e monitorização deste sistema solar fotovoltaico sublinha ainda a receita de energia anual para a DAI na ordem dos 28 mil euros. “A nível mundial, as instalações de sistemas solares ultrapassaram recentemente as instalações eólicas e é positivo perceber que empresas portuguesas seguem essa tendência e vêem no Sol e nas energias limpas potencial de investimento.” A DAI – Sociedade de Desenvolvimento Agro-Industrial é uma das mais modernas refinarias de açúcar do continente europeu. As suas principais atividades englobam o fabrico e a comercialização de açúcar branco, e a venda de energia em cogeração. Neste momento, a DAI é ainda a única empresa a usar gás natural em Coruche. O sistema solar instalado na DAI representa uma área de quase 2 mil m2, com um retorno anual de 12% e uma recuperação do capital investido em cerca de 8 anos. Jorge Correia sublinha ainda: “A tarifa é compensadora, e o retorno e rendibilidade são muito interessantes.”


Formação CIE

Deixe o seu comentário

Preencha os campos seguintes. Poderá subscrever-se a esta discussão e seguir todos os comentários deste artigo, clicando aqui.