Self Energy investe em vários países europeus

Em menos de um mês, a Self Energy assegurou licenças para desenvolver projectos solares de um megawatt (MW) em Portugal, mais concretamente em Odelouca no Algarve, e de 3 MW na Polónia, que no seu conjunto implicarão investimentos de cerca de 20 milhões de euros. Entre os 15 projectos de energia solar de carácter experimental aprovados pela Direcção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), a Self Energy colocou a tecnologia stirling solar dish, em Odelouca no Algarve. A potência que aí será desenvolvida implicará cinco milhões de euros de investimento. Este projecto, segundo adiantou Rogério da Ponte administrador da empresa portuguesa, será feito junto à barragem de Odelouca no Algarve, num terreno com três hectares, contando com 50 parabólicas solares de 20 kW cada um. Com uma eficiência estimada em 25%, esta instalação solar pode produzir anualmente entre 2.200 e 2.400 horas. A Self Energy desenvolverá este projecto em parceria com a espanhola Vinci, responsável pela tecnologia solar a testar, e possui 80% do consórcio ao passo que a espanhola Vinci possui os restantes 20%.

Além disto a Self Energy prossegue a sua internacionalização, desta vez na Polónia, segundo confirmou Rogério da Ponte: “firmámos a aquisição de uma empresa na Polónia. Foi-nos atribuída uma licença fotovoltaica de MW”. O administrador da Self Energy salienta que na Polónia existe um plano para o desenvolvimento de 100 MW de potência fotovoltaica, abrindo assim óptimas perspectivas à empresa portuguesa, num investimento de 15 milhões de euros. A Self Energy, já com negócios em Portugal, Espanha, Brasil, Moçambique, Angola e Polónia, é uma empresa controlada pela Fomentinvest, pelas capitais de risco Naves e Inovcapital e pelo Crédito Agrícola. A instalação de uma central de produção de energia renovável no Algarve terá instalada a tecnologia stirling solar dish, um dos conceitos mais modernos de geração de energia a partir do Sol. Neste empreendimento serão instaladas 50 parabólicas de 20 kilowatts, com um diâmetro de 6 metros a produzir pela espanhola Vinci, e como as parabólicas são feitas através de módulos de 10 kilowatts e 3 metros de diâmetro poderão ser uma alternativa para a gerar energia solar a partir de casa. O stirling solar dish inclui um espelho (o solar dish) que reflecte os raios do sol para um reflector, onde está incorporado um gerador em que o aquecimento de gás serve para gerar electricidade.

www.selfenergy.com