Estratégia para o lítio em Portugal aprovada em Conselho de Ministros

O Governo aprovou em Conselho de Ministros as “linhas de orientação estratégica quanto à valorização do potencial de minerais de lítio em Portugal”. Esta informação consta de um comunicado do concelho de ministros emitido na tarde de 25 de Janeiro de 2018, onde o executivo de António Costa diz que o objetivo passa por desenvolver “uma fileira e de economia circular, proceder ao seu reconhecimento geológico, à avaliação da oportunidade de instalação de unidades tecnológicas e de desenvolvimento de projetos de investigação orientados para a sua recuperação”.

Assim, esta resolução “vai ao encontro do aumento do interesse na atribuição de direitos de prospecção e pesquisa e de exploração de depósitos minerais de lítio, completando-a com uma abordagem de desenvolvimento integrado do aproveitamento deste minério, incluindo a sua recuperação, cujo forte aumento de procura tem sido impulsionado em especial pela sua utilização nas baterias de veículos elétricos”.

Em Portugal, são nove as regiões identificadas com ocorrência de mineralizações de lítio, concentradas no Centro e Norte do país: Serra de Arga, Barroso-Alvão, Seixoso-Vieiros, Almendra, Barca de Alva-Escalhão, Massueime, Guarda, Argemela e Segura. E, nestas, a DGEG definiu 11 “campos” correspondentes às zonas de potencial interesse das empresas (Arga, Sepeda-Barroso-Alvão, Covas do Barroso-Barroso-Alvão, Murça, Almendra, Penedono, Amarante Seixoso-Vieiros, Massueime, Gonçalo-Guarda-Mangualde, Segura e Portalegre).