Combustível líquido armazena energia do sol durante 18 anos

O grande problema das energias renováveis é o armazenamento mas cientistas da Chalmers University of Technology, na Suécia, desenvolveram um fluido especial. Chama-se combustível solar térmico e pode ser usado para armazenar energia do sol durante mais de uma década.

Jeffrey Grossman, engenheiro que trabalha com estes materiais no MIT, explicou que este fluido é uma molécula na forma líquida e que é composta por carbono, hidrogénio e nitrogénio. Quando é atingida pela luz do sol faz algo incomum: as ligações entre os seus átomos são reajustadas e transformam-se numa nova versão energizada de si, chamada isómero. A energia do sol é igualmente apreendida entre as fortes ligações químicas do isómero, e fica retida quando a molécula arrefece até à temperatura ambiente. Depois da energia armazenada, é servida quando necessária, o fluido é simplesmente extraído de um catalisador que devolve a molécula à sua forma original, libertando energia na forma de calor. A energia neste isómero pode agora ser armazenada durante 18 anos.

O dispositivo de energia renovável e livre de emissões possui um refletor côncavo com um cano no centro, e assim o dispositivo persegue o sol como uma espécie de antena parabólica. O sistema funciona de maneira circular: ao bombear através de tubos transparentes, o fluido é aquecido pela luz solar, transformando a molécula norbornadieno no seu isómero de aprisionamento de calor, o quadriciclano, e o fluido é armazenado à temperatura ambiente com uma perda mínima de energia. Quando a energia é necessária, o fluido é filtrado por um catalisador especial que converte as moléculas de volta à sua forma original, aquecendo o líquido em 63 graus Celsius, por isso acreditam que este sistema pode ser usado nos sistemas domésticos de aquecimento (aquecedor de água, máquina de lavar louça e roupa, secador de roupa), antes de retornar para o telhado. Este fluido foi colocado no ciclo mais de 125 vezes, aquecendo-o e soltando-o sem danificar a molécula.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta