a gestão e a utilização eficiente da energia

a gestão e a utilização eficiente da energia

A Importância da Eficiência Energética e o Programa ECO .AP – 2.ª parte

O progresso e o crescimento económico não ocorrem sem colocar graves problemas. A confrontação é inevitável quando se coloca a questão de saber se o crescimento contínuo do consumo da energia nos traz mais efeitos perversos do que benéficos, quer para a humanidade quer para o sistema ecológico. Uma comparação atual de opiniões, a propósito do consumo, deixa antever, no mínimo, três cenários possíveis:

  • Responder à procura sem limitações;
  • Autolimitar a procura voluntariamente;
  • Limitar o consumo pelo constrangimento.

A existência destes três cenários permite concluir que a questão energética não é matéria personalizada mas que ela se desempenha, também, no plano social: cada maneira de encarar o consumo de energia é remetida a um modelo (e consequentemente a uma opção) de sociedade. A problemática do consumo da energia ultrapassa o quadro puramente técnico já que são colocadas em jogo questões fundamentais que dizem respeito quer à atualidade como ao futuro da nossa sociedade.

A energia desempenha um papel fundamental na economia e no seu desenvolvimento. Esta constatação, indiscutível, não justifica um crescimento, indisciplinado, quer da procura como da oferta da energia. Problemas ecológicos e sociopolíticos impedem claramente o procedimento sobre a via da inflação energética.

O presente artigo tem, assim, por objetivo demonstrar a importância da eficiência energética, com sendo o quarto cenário possível, mais eficaz quer do ponto de vista técnico quer do ponto de vista económico, e que permite responder à procura mantendo o mesmo nível das prestações energéticas.

De referir que a gestão da energia é fundamental para a garantia de que as medidas de eficiência energética implementadas são devidamente controladas e sustentadas no tempo.

Considero como base de uma política de apoio à eficiência energética, a orientação para dois universos fundamentais:

  • O consumidor em geral, em termos da atitude comportamental;
  • As atividades e setores onde o impacto das medidas na redução do consumo de energia final é significativo e economicamente viável.

Os setores da atividade que considero serem os mais importantes e para onde devem ser orientados os apoios e estímulos para a eficiência energética são:

  • Transportes – basicamente comportamentais e tecnológicos;
  • Indústria – tecnológicos e comportamentais;
  • Serviços – tecnológicos e comportamentais;
  • Residencial – basicamente comportamentais.

João de Jesus Ferreira
Engenheiro Eletrotécnico
JesusFerreira Consultores – energyconsulting

Para ler o artigo completo faça o download gratuito da “renováveis magazine” nº13. Verifique o seu email após o download. Pode também solicitar apenas este artigo através do email: a.pereira@cie-comunicacao.pt

      Selecione as sua(s) área(s) de interesse

      Utilize a tecla Ctrl para selecionar mais que uma opção

    Outros artigos relacionados

    Translate »