Ministro do Ambiente

Ministro do Ambiente e Ação Climática reconhece eólica como peça-chave na descarbonização da economia

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, reconhece a energia eólica como uma peça-chave na descarbonização.

O Ministro do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, reconhece a energia eólica como uma peça-chave na estratégia da descarbonização, que prevê o aumento de capacidade instalada desta tecnologia dos atuais 5,5 GW para os 9,3 GW em dez anos.

Vamos reforçar a capacidade que temos. O que sabemos hoje é que podemos ter potências maiores com menos aerogeradores instalados. Vamos por isso apostar no sobre-equipamento, que é uma via muito racional, e no repowering”, sublinha João Pedro Matos Fernandes.

O cumprimento das metas do Roteiro para Neutralidade Carbónica e do Plano Nacional para a Energia e Clima prevê também o incremento do solar, ao contrário do que acontecerá com a hídrica.

A energia produzida a partir da água dificilmente tem mais de oito ou dez anos de crescimento em Portugal. A água é de todos os ecossistemas e a escassez vai fazer com que tenha outras utilizações mais prioritárias do que a produção de eletricidade. Podemos produzir eletricidade a partir de outas fontes renováveis, como o sol e vento, mas não podemos regar ou beber com nada que não seja água”, realçou, apontando a Cascata do Tâmega como o último grande investimento hídrico.

João Pedro Matos Fernandes falava no encerramento da conferência “Redesigning wind for the next era”, organizada pela APREN (Associação Portuguesa de Energias Renováveis) e pela WIBIS (Wind Energy and Biodiversity Summit) a 27 e 28 de janeiro de 2021 e que contou com a cooperação técnica do INEGI – Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial.

BIODIVERSIDADE GANHA TERRENO

Especialistas nacionais e internacionais discutiram neste fórum as práticas mais sustentáveis relacionadas com a energia eólica e a preservação e reforço da biodiversidade, abordando casos específicos de boas práticas relacionadas com as aves, morcegos ou lobo ibérico.

O Ministro do Ambiente está convicto de que o tema mais falado no domínio do ambiente deixará de ser a descarbonização para passar a ser a biodiversidade e o restauro dos ecossistemas. “Isso é muito claro e se isso já vinha a ganhar alguma tração é muito evidente depois da pandemia. Esse vai ser mesmo o tema”, antecipa.

O CEO da APREN, Pedro Amaral Jorge, sublinhou que o setor está consciente da responsabilidade, no que concerne à proteção dos ecossistemas e da preservação da biodiversidade, tema que tem abordado com continuidade em público.

As boas práticas de preservação da biodiversidade começaram, aliás, com o setor eólico porque foi esse que reuniu massa crítica primeiro”, lembrou.

APREN
Tel.: +351 213 151 621 · Fax: +351 213 151 622
apren@apren.pt · www.apren.pt